Convento de Santa Cruz e Capelas da Via-Sacra reabilitados com investimento de um milhão de euros

 

Convento de Santa Cruz e Capelas da Via-Sacra reabilitados com investimento de um milhão de euros

Foi inaugurada, esta manhã, a obra de "Requalificação e valorização da Mata Nacional do Bussaco - Recuperação do Convento de Santa Cruz e Capelas dos Passos da Via-Sacra", um investimento global de cerca de um milhão de euros. A empreitada, adjudicada a uma empresa especializada na reabilitação, conservação e restauro do património construído, englobou trabalhos de conservação e restauro em fachadas, paredes e tetos interiores, recuperação de vãos interiores e exteriores, recuperação de coberturas e intervenções pontuais de correção em drenagem de águas pluviais e em pavimentos. Toda a empreitada, iniciada em março de 2018, obedeceu aos projetos aprovados pela Direção Regional da Cultura do Centro. O investimento global rondou um milhão de euros, sendo uma parte suportada por fundos comunitários (Programa Centro 2020) e outra pela Câmara Municipal da Mealhada. Rui Marqueiro, presidente da Câmara Municipal da Mealhada, sublinhou que a reabilitação e preservação da Mata Nacional do Bussaco será sempre uma prioridade para a Autarquia, adiantando que as próximas áreas a intervencionar serão as garagens do Palace, o chalet de Santa Teresa e a igreja do Convento de Santa Cruz. A secretária de Estado da Cultura, Ângela Ferreira, que inaugurou as obras, sublinhou o compromisso transversal que deve existir em torno do património. "Se nesta visão com que nos comprometemos, o património deve ser também um veículo transformador da sociedade e dos territórios, se o património é verdadeiramente de todos, então o património requer os esforços de todos. Dar futuro ao património e, dessa forma, à cultura de um país, compromete-nos a todos", referiu.Também presente na inauguração, o Bispo de Coimbra, D. Virgílio Antunes, destacou o "valor ímpar do Bussaco como um todo, absolutamente distinto no país e no mundo" e enalteceu "o projeto que tem vindo a ser realizado com a colaboração de muitas entidades públicas e privadas". Recorde-se que os imóveis reabilitados são património do Estado, encontrando-se os mesmos afetos à Fundação Mata do Bussaco há cerca de 10 anos, por via do usufruto constituído por força do Decreto-Lei n.º 120/2009, de 19 de maio. Contudo, para que as obras avançassem de facto - algo commumente aceite por todos como urgente há vários anos -, teve a Câmara da Mealhada de se substituir ao papel do próprio Estado.

Bussaco, 19 de julho de 2019

facebook icon  youtube icon  tripadvisor icon
Top