BUSSACO Voluntários de 13 países plantam 3500 árvores em quatro dias

Mais de meia centena de membros da Organização Não Governamental (ONG) japonesa Sukyo Mahikari participaram, durante quatro dias, numa ação de voluntariado, na Mata Nacional do Bussaco, que resultou na plantação de 3500 árvores em zonas fustigadas pelo ciclone Gong (2013) e pela tempestade Stephanie (2014), no controlo de plantas invasoras numa área de 1 hectare de floresta e ainda no semeio de 400 sementes de carvalho.

É a terceira vez que esta organização internacional participa, nesta floresta pública do concelho da Mealhada, em ações de voluntariado, com jovens e adultos de diversos países. Desta vez, a Sukyo Mahikari levou ao Bussaco cidadãos de 13 países: Portugal, Espanha, Guadalupe, França, Suíça, Bélgica, Alemanha, Itália, Inglaterra, Venezuela, Guiné-Bissau, República do Congo e Argentina.

A Sukyo Mahikari é uma organização internacional, sediada na cidade de Takayama, que tem representações em 75 países, com cerca de um milhão de membros ativos. Só no Japão existem cerca de mil sedes, na América Latina 129 e no Brasil 59. Mahikari é um novo movimento religioso japonês em cujos membros acreditam ser esta uma arte espiritualista que tem por objetivo a renovação espiritual de toda a humanidade. Segundo eles, esta renovação é fundamentada por revelações divinas que Deus - o Deus Supremo, criador do céu e da Terra - teria reportado ao seu fundador Yoshikazu Okada. O grupo contribui ativamente para causas ligadas à natureza, tendo participado em projetos como a Grande Muralha Verde que se encontra a ser plantada em África para travar o avanço do deserto do Sahara. Na opinião de Jóni Vieira, coordenador do projeto BRIGHT - Bussaco’s Recovery from Invasions Generating Habitat Threats, responsável pelo combate a plantas invasoras e reflorestação da Mata Nacional, “a colaboração do grupo Sukyo Mahikari foi, como já anteriormente havia sido, preciosa”. “São pessoas muito solidárias, sempre muito disponíveis, super corretas e educadas, prontas para ajudar em tudo. Deixaram uma marca importante no Bussaco e a Fundação agradece e enaltece o inestimável contributo e exorta outras organizações, associações, coletividades, autarquias, empresas e pessoais individuais a seguirem o mesmo exemplo de voluntariado, tomando a iniciativa de se inscreverem por e-mail (Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.) ou por telefone (231937000)”, afirma Jóni Vieira.

Bussaco, 30 de outubro de 2017

SM 

 

Foi um dia repleto de emoções, hoje, na Mata Nacional do Bussaco, com a atriz Carla Andrino a ser surpreendida pelo marido - o maestro Mário Rui - com uma música, tocada ao piano, no meio da floresta, com a excelente colaboração de 20 cantores do Coimbra Gospel Choir. Como toda a gente chorou - a atriz, o público, os jornalistas e os políticos -, a árvore que Carla Andrino plantou já ficou "regada" e vai durar muitos e longos anos.

Fotos: Carlos Palavra/CAPhoto

O bastonário da Ordem dos Advogados, Guilherme Figueiredo, plantou uma árvore (azereiro), hoje, na Mata Nacional do Bussaco. É mais um importante contributo no processo de reflorestação deste espaço público e um exemplo que deve ser seguido por todos.

Bastonário Advogados 4

A Selecção Nacional de hóquei em patins aproveitou a presença no Luso para participar, esta manhã, numa acção de sensibilização ambiental no Bussaco. A equipa trocou os sticks por pás e picaretas e plantou um azereiro, espécie ibérica em extinção, também conhecida como gingeira-brava ou loureiro-de-portugal, na Mata Nacional do Bussaco. Um ato simbólico de ajuda à reflorestação da Mata que contou com a presença do vice-presidente da Câmara Municipal da Mealhada, Guilherme Duarte, e do anfitrião o presidente da Fundação Mata do Bussaco, António Gravato, que procurou elucidar jogadores e equipa técnica das quinas acerca do passado, do presente, mas também do futuro deste espaço verde tão singular.

3 

Primeira visita oficial de Miguel Freitas como líder da secretaria de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural foi à Mata Nacional do Bussaco, deixando uma promessa aos presidentes da Fundação Mata do Bussaco, António Gravato, e da Câmara Municipal da Mealhada, Rui Marqueiro: “acabou a orfandade do Bussaco relativamente à Administração Central! A partir de agora, iremos dar atenção muito especial a este espaço magnífico, com ações concretas, no terreno, de valorização de uma mata nacional que é muito especial e importante para o país”.

Bussaco, 28 de julho de 2017

Secretário de Estado  das Florestas

Cerca de 20 jovens do Centro Social Polivalente da Freguesia de Murtede estiveram, ontem, na zona do Pinhal do Marquês, a remover, através de um cordão humano, pilhas de lenha que, posteriormente, serão transformadas em estilha.Esta zona da Mata tem sido, nos últimos meses, alvo de um trabalho árduo de recuperação e limpeza por meio da dinamização de diversas ações, realizadas ao abrigo do Projeto BRIGHT/Life+, que em muito têm contribuído para o descasque e remoção de plantas exóticas invasoras ali existentes. 
Se, tal como estes jovens corajosos, tiver vontade de contribuir para a recuperação da Mata Nacional do Bussaco entre em contacto connosco através do e-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. / Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Obrigado pelo vosso contributo!

Bussaco, 28 de julho 2017

 

O músico Luís Represas plantou uma árvore, ontem, na Mata Nacional do Bussaco e não poupou elogios à "imponência e ao esplendor da floresta". O ex-cantor do grupo Trovante prometeu mesmo apoiar a candidatura a Património Mundial da UNESCO.

Bussaco, 5 de maio de 2017

Luís Represas Jornal da Mata

A jornalista Paula Magalhães, da TVI, plantou uma árvore, hoje, na Mata Nacional do Bussaco. O momento foi presenciado, entre outros, pelo presidente da Câmara Municipal da Mealhada, Rui Marqueiro, pelo presidente da Fundação Mata do Bussaco, António Gravato, pelo marido da jornalista, Luís Marinho (ex-administrador da RTP), e pelo jornalista José Manuel Portugal (ex-diretor de Informação da RTP).

Bussaco, 27 de julho de 2017

 Paula Magalhães

 


- Projeto foi apresentado, hoje, na Mata Nacional do Bussaco

A Mata Nacional do Bussaco vai ter uma Grande Rota pedonal com três trajetos que convergem para o seu interior: um a partir da Mealhada, outro que parte de Penacova e um terceiro com origem em Mortágua. O projeto, que foi apresentado ontem, no Convento de Santa Cruz, procura colocar o Bussaco nas rotas do turismo de natureza, património e cultura.

A “ Grande Rota do Bussaco” é composta por três percursos, oriundos dos concelhos que circundam a Mata, com cerca de 20 quilómetros cada, e de dificuldade média, que, por entre serras e declives, conduzirá os visitantes ao núcleo central da Mata Nacional do Buçaco. O projeto une os três municípios – Mealhada, Mortágua e Penacova – e mereceu o apoio da Comunidade Intermunicipal – Região de Coimbra, do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas e da Agência de Desenvolvimento Gardunha 21/ Inature, entidades que assinaram, hoje, no Convento de Santa Cruz, na Mata Nacional do Bussaco (Luso, Mealhada) o “Compromisso do Bussaco”, um documento de intenções para a valorização da Mata Nacional e Serra do Bussaco.
O documento define como objetivos a “promoção e valorização da Mata Nacional do Bussaco, tornando-a um motor de desenvolvimento dos concelhos”, a “valorização do potencial endógeno do território” e a “dinamização da Mata e Serra do Bussaco em cooperação com instituições e agentes económicos”. Para a concretização dos mesmos, todas as entidades se comprometem com iniciativas de promoção, divulgação e sensibilização e com a “estruturação da oferta turística, de uma forma integrada”. O projeto centra-se no património natural, mas também do arquitetónico e até imaterial, cruzando-se com o projeto da rota das batalhas napoleónicas.
António Gravato, presidente da Fundação Mata do Bussaco, explicou que o projeto da Grande Rota do Bussaco – Corredor de Património Natural da Região de Coimbra foi amplamente discutido, nomeadamente com juntas de freguesia e outras instituições, enquanto João Ataíde, presidente da CIM – RC, sublinhou o enquadramento numa premissa de desenvolvimento de um produto turístico interligado com outras ofertas turísticas da região de Coimbra.
Pedro Machado, Presidente da Turismo Centro Portugal, saudou “a cooperação das três autarquias na criação deste produto turístico estruturado” que vai ao encontro das últimas tendências do turismo internacional que procura experiências assentes na natureza, nas experiências e na descoberta de territórios para além do sol e praia.
Já o presidente da Câmara da Mealhada, Rui Marqueiro, que falou também em nome d dos seus colegas de Mortágua e Penacova, sublinhou a ligação histórico-cultural entre estes três municípios dos distritos de Aveiro, Coimbra e Viseu, com o ponto fulcral que é a Mata Nacional e Serra do Buçaco, adiantando que agora a urgência é a de avançar com os trabalhos.
Os três municípios irão dar seguimentos às obras necessárias para a criação dos três trajetos que constituem a Grande Rota, num projeto global que mereceu o financiamento do Portugal 2020 e Feder.

Bussaco, 23 de junho de 2017

 

Pág. 4 de 13
facebook icon  youtube icon  tripadvisor icon
Top